05 abr 2018

Perda Gestacional: o que é, como superar e o nome do nosso bebê

CASA & FAMÍLIA > Gravidez > CASA & FAMÍLIA > Infertilidade

Quem segue o blog/canal já conhece a nossa luta contra a infertilidade, que foi provocada devido ao quadro avançado de endometriose que eu tenho.

Após 7 anos de tentativas, decidimos fazer um Fertilização In Vitro em novembro de 2017 e compartilhamos todo o processo no canal durante março/2018.  Conseguimos engravidar e na sexta-feira, 30 de março, contamos essa notícia no canal já que o nosso bebê estava fora de perigo e já tinha 18 semanas, quase metade da gestação. Mas como vocês também já viram nesse vídeo, no dia seguinte e sem nenhuma explicação, a bolsa rompeu e o nosso bebê não resistiu ficar sem o líquido amniótico.

Não estranhem eu falar do assunto sem ainda ter completado 1 semana desde que perdemos o nosso bebê. Faz parte de mim expressar minhas dores e sentimentos em palavras, através da escrita. Sempre foi assim! É dessa forma que eu consigo chorar, desabafar e me reerguer. Por isso eu preciso escrever, talvez não para encontrar respostas mas para que ao menos as minhas experiências possam fazer sentido a quem passou pelo mesmo.

O que de fato aconteceu?

Resposta sincera? Não sei e nem os médicos sabem. Uma semana antes fizemos um ultrassom e vários outros exames até mais complexos e nosso bebê, chamado carinhosamente de #NossaVidinha, esbanjava saúde. Não havia nada em mim que sequer demonstrasse uma suspeita de que a endometriose ou a epilepsia pudessem prejudicar a gravidez e como passei por uma FIV, fiz exames bem avançados que em geral não se pedem às grávidas, entre eles exames que descartavam qualquer possibilidade do meu corpo facilitar o desenvolvimento de más formações e de ter trombofilia. Tudo na mais perfeita ordem para poder gerar uma vida com saúde e sem sustos no caminho.

O fato é que no sábado, 31 de março às 19 horas, eu senti uma cólica parecida a uma contração e em 15 minutos a bolsa rompeu. Naquele momento eu já esperava o pior por mais que minha fé dissesse o contrário. Eu era mais uma mulher a entrar para as estatísticas de Aborto Tardio, que é a perda gestacional no começo do 2º semestre, ou seja, já se passaram as 12 semanas de risco que qualquer gravidez possui mas ainda assim o bebê tem menos de 20 semanas e pesa menos ou o equivalente a 500 gramas, com menos de 25cm. Meu bebê tinha 18 semanas, 18cm e 350 gramas.

O resto vocês já viram no vídeo: tomei remédios para induzir o aborto porque o coração do bebê já tinha parado de bater, passei por um parto normal com tudo o que ele tem direito: dilatação, contração, dores, expulsão do bebê e da placenta; e logo depois uma curetagem que graças a Deus não foi tão invasiva porque o parto expulsou grande parte dos resíduos que poderiam gerar infecções.

Como estou depois disso?

Tirando a tristeza enorme, a frustração, o vazio na alma e o fato de que choro todos os dias, fisicamente estou melhor. Apesar de não ter sido o parto que imaginei com a recompensa do meu filho vivo nos braços, um parto normal com certeza te deixa bem minutos depois, como se nada tivesse acontecido. Sinto dores leves, claro, devido à curetagem e ao fato de que os órgãos estão voltando ao lugar. Mas uma coisa que incomoda bastante é a dor nos seios. Meu corpo entende que houve um nascimento e as glândulas estão confusas. Não sabem se secam ou liberam o leite e isso faz o seio empedrar. Estou cuidando com compressas e massagens para evitar a mastite ou qualquer tipo de inflamação. Como eu disse nas redes sociais, aprendi que o aborto não acaba com a morte do feto. As sequelas físicas e emocionais perduram. As físicas muitas vezes são superadas em 40 dias. As emocionais nem sempre. Enquanto isso eu continuo em casa, de repouso por 15 dias e logo depois quero ir ao Brasil. Nunca precisei tanto da minha família como agora.

O que os laudos médicos dizem?

Vou saber daqui uns dias mas estão estudando a placenta e o formato do meu útero para ver se há alguma resposta. Alguns formatos de útero são mais propensos a partos prematuros e se isso for constatado, eu terei que buscar novos tratamentos para “segurar” o bebê por mais tempo numa próxima gravidez. Também vou repetir todos os exames que eu já tinha feito para descartar de vez qualquer outro risco, inclusive a trombofilia.

Engravidaria novamente?

É o meu sonho de vida! Não descarto outras possibilidades de viver a maternidade, inclusive a adoção mas não é um processo fácil, rápido e garantido, ainda mais sendo estrangeira. Tenho infertilidade, portanto adotar e gerar uma vida podem levar anos, então eu lido com ambas coisas ao mesmo tempo e o que estiver reservado para mim, acontecerá. Mas sim, eu tentaria engravidar outra vez mas não nego o medo que essa ideia causa em mim desde o aborto. Tenho um medo enorme de passar por uma perda outra vez. Chego a pensar que se engravidasse, eu só me consideraria mãe e só revelaria ao mundo quando o bebê nascesse, porque essa experiência me ensinou que enquanto não nasce e com vida, as coisas ainda não estão garantidas, entende? Infelizmente as mães com perdas gestacionais ficam marcadas na alma. A alegria da espera se transforma em angústia e por isso quero começar uma terapia. É fundamental!

Mas dá pra amar como filho com tão pouco tempo?

Ouvi isso de várias pessoas. Pra quem nunca passou por uma gravidez, tudo é muito abstrato mas quem já viveu essa experiência, sabe que amamos profundamente essa nova vida desde o dia do positivo. Pra nós essa vida já tem rosto, personalidade, colo, berço, lar, carinho, sonhos. Pra que tenham uma vaga ideia, eu tinha um diário onde escrevia diariamente para o meu filho (antes mesmo de receber o positivo) contanto como eram meus dias esperando por ele, e sonhava com o dia em que ele pudesse ler tudo isso. Sim, dá tempo de amar, idealizar e maternar. Somos mães desde a confirmação da gravidez e seremos mães mesmo sem ter a chance de criar nossos bebês.

O Nome do meu filho

Uma semana antes da perda veio a confirmação de que era um menino, algo que eu sempre suspeitei. Como pra nós foi tão difícil engravidar, sempre vivemos um dia de cada vez. Não compramos nada antes da definição do sexo e não pensávamos em nomes. Mas logo depois que ficamos sabendo que era um menino, começamos a fazer uma lista. É complicado pensar em nomes quando se mora em outro país porque ele precisa ao menos fazer sentido e ser fácil de pronunciar em 2 países.

Quando o bebê faleceu, desistimos de pensar nisso mas muita gente nos dizia que era importante dar um nome ao bebê porque de fato ele existiu e é verdade. Eu sou mãe, só não convivo com o meu filho mas eu sou mãe, eu gerei uma vida, dei a ele um pai maravilhoso que está sofrendo tanto quanto eu.

Resolvemos dar a ele um nome e entre os muitos da lista, havia um que sempre foi unânime entre nós: PEDRO. E pela primeira vez não foi difícil decidir. #NossaVidinha sempre foi o nosso Pedro, o Pedrinho dos seus avós, o Pedrito dos amiguinhos chilenos, o rochedo que fortaleceu o nosso casamento, a nossa união e a certeza de que viver intensamente e em família é a coisa mais importante desse mundo.

Pedro, tenho fé que um dia te daremos irmãos mas isso nunca vai mudar o fato de você ter sido o primeiro a provocar em nós sensações tão puras e lindas que só a maternidade pode provocar. Confiamos na chegada de um bebê arco-íris como promessa de que nenhuma tempestade acontece sem uma recompensa mas continuaremos vivendo de forma a honrar o previlégio que é ser pais de um anjo que iluminou nossas vidas por 18 semanas e agora descansa.

 

Fê La Salye
Comente Aqui!
Comentários
19 comentários em "Perda Gestacional: o que é, como superar e o nome do nosso bebê"
  1. Hayana   05/04/18 • 12h07

    Fernanda, acompanho suas redes sociais desde que fiz minha viagem ao Chile, em 2015. Fiquei imensamente feliz com a notícia de sua gravidez e logo em seguida muito triste por sua perda. Meus sentimentos para você e sua família.
    Hoje estava lendo um texto e queria dedicar ele a você. Que Deus a conforte e possa sarar essa dor te trazendo alegria e dias melhores. Beijo grande.

    Escrevo essa carta como quem entra para visitar a casa de um conhecido pela primeira vez. Pedindo licença, tirando os sapatos. Com o maior cuidado do mundo. Cuidado com o seu coração, com os seus sentimentos. Já entro te abraçando.
    Escrevo porque você me pediu. Vivo prorrogando fazer isso, simplesmente porque não me acho capaz de realizar. Eu disse várias vezes para você que eu não sabia se daria conta afinal, mesmo que eu me esforce muito, não consigo mensurar a sua dor. O seu sentimento de perda.
    Fico aqui pensando nas inúmeras vezes que você deve pensar nos passinhos que não serão dados, nas gargalhadas que não ecoarão, nas palavrinhas erradas que não serão ditas, na vida que não irá florescer.
    Fico pensando na vontade que você deve ter de segurar ele no colo, abraçar, beijar, de dar todo o amor que foi obrigado a ficar aí guardado dentro do seu peito.
    Penso, sinto e choro. Choro porque acho que se tem algo que não deveria existir na vida é uma mãe perder o seu filho.
    Aborto espontâneo? Bebê? Criança? Adolescente? Adulto? Não importa a idade, filho é filho em qualquer fase da vida, a dor deve ser igual. Só sei que não é justo, é desumano, não é o natural.
    Mas também penso nesse algo maior, gigante, que a gente não é capaz de entender. Acredito que se confiarmos Nele as coisas talvez, e só talvez (não estou na sua pele para saber) sejam um pouco menos doloridas de aceitar. Acreditar que cada ser tem o seu caminho e que Ele sabe o que é melhor para cada um de nós pode ajudar a cicatrizar a ferida, a dar paz.
    Mas o que eu queria te dizer com toda a sinceridade é que eu acredito piamente que existe um cordão invisível e eterno entre mães e filhos. Tenho uma certeza que não sei de onde vem, que todo o seu amor não foi e nunca será em vão. Seu amor nunca ficará guardado dentro do seu peito. Tudo de bom que você tem para passar para ele chega. Por isso acredite, onde quer que ele esteja será nutrido diariamente por esse amor tão seu, só seu por ele.
    Por isso não esqueça: mesmo não estando mais ao seu lado, ele precisa sentir que você está bem.
    Texto: @maeforadacaixa

  2. Aline Haverroth   05/04/18 • 12h21

    Que belas palavras Fê!
    O Pedrinho está em um lugar lindo e logo você e o Narciso terão um bebê arco íris, e tudo isso irá passar!
    Que Deus conforte o coração de vocês, beijo!

  3. Juliana Galvao   05/04/18 • 12h36

    Fe, minha querida, nao se cansa de fazer a gente chorar… So quero te lembrar de uma coisa, sabe esse tanto de comentarios no Facebook, Instagram, Youtube e aqui no Blog, eh Deus te mostrando que vc NAO ESTA SOZINHA. Meus pensamentos e oracoes estao contigo e Narciso. Um abraco beeem apertado

  4. Leticia Santos Maciel Endo   05/04/18 • 12h51

    Fernanda, tantas palavras que gostaria de te dizer até de te dar um abraço e de algum forma amenizar a sua dor!
    Comecei a assistir o seu canal no Youtube a um ano atrás, pois irei visitar o Chile em Agosto mas acabei me apaixonando pelo seu canal por completo.
    Com você aprendi a dar mais valor a vida, a nunca mais falar Deus me livre de engravidar agora, a sempre ter um sorriso no rosto e a lutar ainda mais pelos meus ideais.
    Saiba que cheguei ao ponto de questionar a Deus do por que ele deixou acontecer isso com você ainda mais por que você estava na casa de Deus fazendo a obra, mas me lembrei de algo que minha mãe sempre me dizia nunca questione Deus do por que mas sim do PARA QUE…
    E com isso senti Deus me falando que o que você está passando será uma luta passageira que o que ele tem para você será tão grande mas tão grande que pessoas só irão acreditar vendo!
    Saiba que vocês não estão sozinhos nessa batalha e que tem um casal brasileiros que oram por você todas as noites.
    Um beijo enorme de uma pessoa que te admira muito!
    Espero te conhecer um dia quando vier para o Brasil – SP.

  5. Thaisa Mendonça   05/04/18 • 13h07

    Fê, vibrei tanto com a sua gravidez que parecia que era uma amiga minha que morava fora que tinha engravidado! Só mesmo jeito senti muito quando soube do aborto…é engraçado isso porque nunca nos vimos mas existe uma sensação mínima de proximidade entre nós do lado de cá e vocês. Não posso dizer que sei o que sente porque ainda não sou mãe mas, assim como você, também tenho o sonho de engravidar. Minha torcida por você e o Narciso é tão grande que sinto que sua hora vai chegar. Já és mãe, Pedro lhe conferiu esse título, mas a maternidade ainda vai ser vivida plenamente por você. Eu creio. Um abraço carinhoso nos dois.

  6. GRAZIELE MAIARA ROCHA DOS SANTOS   05/04/18 • 14h50

    Oi FE
    Q belas palavras!
    Te sigo nos canais desde q marquei minha viagem para o Chile que será em Maio,claro atras de dicas te achei é partir daí revirei tudo seu blog seus vídeos e posso te dizer q te conheço a anos rs. Torci mt por vcs,e tbm fiquei triste com as ultimas noticias.
    Qto te dizer q vc é uma mulher guerreira, muito forte e mt iluminada por Deus, só o tempo te dará respostas e entendimento de td isso. Sejam forte..nos estaremos sempre rezando por vcs!! #Pedro#Pedrito#Pedrinho#Nossavidinha

  7. Jeanne   05/04/18 • 18h08

    Que emoção ao ler esse relato, que forte esse sentimento, mas creio e muito, porque sou prova disso que Deus opera milagres… não desista … näo deixe de sonhar, mas entregue Ele todas suas angústias e todos os seus sonhos, vive esse momento de luto agora com a certeza de que Deus permitiu, e que talvez vcs nuncam estendam o motivo, mas que Ele está no controle e é soberano !

  8. Tamine   05/04/18 • 18h57

    Torço muito por vocês! Não esqueçam que além da família e amigos, vocês tem muita energia positiva dos seguidores também! E tenho fé em Deus que vocês vão superar essa perda, que você vai gerar um bebê com vida! Sejam fortes! ❤❤❤

  9. Maria Isabel Barros kotzent   05/04/18 • 19h37

    Que Deus ilumine os caminhos de vocês; agora tem um anjo que do Céu os acompanham. Abraço fraterno

  10. Andreia Velazquez   05/04/18 • 20h54

    Fê, minha linda!!! Que dor, que dor!! Doe em mim aqui do outro lado ! Sei o quanto vc lutou por isso, vc é mãe, Fê e o Narciso pai e isso ninguém vai tirar de vocês !
    Sabe, por mais que tenhamos toda a tecnologia a nosso favor, como a FIV, por exemplo, sabemos que quem da a vida é Deus 🙏 não desista Fe, é o seu sonho e TUDO o que é para ser nosso encontrará um jeito de chegar até nós ! TUDOOOO! Seu casamento com o Narciso e esse amor tão lindo que vcs vivem é prova disso, Fe !! ❣️
    Assista o Amar Maternidade no YouTube, se sentir, escreva sua história pra eles !
    um forte, forte abraço!! Estou aqui orando por vocês!! 🙏❣️💕 um Beijo!!

  11. Jaqueline Macêdo   06/04/18 • 20h18

    Fê minha linda, conheci seu blog em fevereiro deste ano pois vou ao chile esse mês de Abril. Fiquei encantada com tantas matérias legais que tem aqui e muito compadecida com a sua causa. Eu também quero ser mãe, sou casada há 5 anos e tento engravidar há 1 ano. Eu fiquei muito feliz quando vi a notícia que a FIV tinha dado certo. E hoje, quando entro pra checar mais algumas coisa sobre o Chile, me deparo com essa notícia. Sinto muito por vocês! E mesmo que eu tente imaginar, nem de longe vou saber a dor que você e o Narcísio estão sentido. Mas só te digo uma coisa: Deus te dará a vitória. Nada disso que vocês viveram foi em vão. Mais cedo ou mais tarde vocês terão a oportunidade de viver a maternidade plena. Em nome de Jesus! Fiquem com Deus! Abraços!

  12. Nathalia Elen   08/04/18 • 07h03

    Só quem já passou por uma perda dessa comsegue entender de verdade o que vc diz neste texto. Perdi minha Bella em julho de 2016. Ela mudou a minha vida. Foi a coisa mais difícil que tive que passar. Mas hoje eu sou outra pessoa. Tudo tem um propósito. Eu entendi o propósito da curta vida dela. Demorou muito. Doeu. Ainda doi. Nunca passa completamente. Mas saiba que Deus está no controle e no momento certo o bebê arco-iris vai chegar. Muita força.

  13. Natália Pereira   09/04/18 • 09h26

    Fernanda, bom dia!

    Estou acessando seu blog há poucas semanas, desde que o descobri fazendo uma pesquisa no Google, quando decidimos passar uns dias no Chile.
    Estamos indo à Santiago nesta 5ª-feira agora, e gostaria, primeiramente de dizer que adorei seu blog, foi uma das melhores fontes que encontrei sobre o país e com certeza, muito muito completa. Obrigada por toda ajuda que nos forneceu através das inúmeras informações do blog, ricas em detalhes. Parabéns pelo seu trabalho!

    Agora, eu gostaria de deixar aqui meus sentimentos, pois não pude não me comover com este post sobre o filho de vocês e essa gravidez tão desejada, tão intensa e, infelizmente, tão curta.
    Não nos conhecemos, mas através do seu texto, você tocou no “sentimento de mãe” de muitas mulheres, com certeza, mesmo no meu, que nem sou mãe ainda. Sinto muitíssimo pela sua perda. Meus votos são de forças, fé e luz. Muita luz pra vocês nesse momento difícil. Infelizmente não conseguimos compreender todas os caminhos que Deus nos coloca nessa vida, apenas escolho acreditar que se temos que passar pelo o que passamos é para que aprendamos algo, para nos fortalecer e nos preparar para algo melhor, sempre acreditando que Deus está do nosso lado para nos apoiar e nos fazer seguir em frente.
    Fiquem bem. Fiquem em paz. Fiquem com Deus. Tudo de melhor pra vocês!
    Abraços
    Natália

  14. Manuela Lima   18/04/18 • 21h56

    Fernanda, oro a Deus aqui por vocês! Consolo,conforto e coragem!! Deus esteja com vocês! Fiquem bem.

  15. Amanda   13/05/18 • 14h47

    Sem palavras para esse post. Emocionante. Espero que você possa um dia realizar o seu sonho. E que nós leitores possamos vir aqui e celebrar este dia com você.

  16. Sandra   20/05/18 • 19h44

    Fe…me chamo Sandra e por 7 anos venho sonhando como vc com a gravidez, tb pretendo passar por uma FIV. Uma amiga tentou por 5 vezes, nas 3 primeiras tentativas não ocorreu a gravidez, na quarta tentativa engravidou e perdeu o bebê….na quinta tentativa ela finalmente conseguiu realizar o sonho de ser mãe, portanto não desista! Deus irá te honrar querida com um presente enviado por Ele.
    Orando por vc e por seu esposo.
    Vamos nos falando, grande abraço.

    • Fê La Salye   05/06/18 • 14h43

      Sandra, muito obrigada pelo carinho! Eu não consigo desistir. Na verdade eu queria ter saído grávida no mesmo dia que perdi. Obrigada por orar por nós! Bjs

  17. Daiani   29/05/18 • 09h22

    Olá Fernanda,
    Conheci seu blog ontem, pesquisando sobre o chile, pois temos vontade de viajar agora em julho para Santiago.
    Me identifique com sua luta pela tentativa de engravidar.Descobri recentemente que tenho endometriose e vou fazer a cirurgia em julho.
    Mas vi seu relato no youtube e tenho orado pela sua vida e de seu esposo, creio em um Deus de milagres que restaura todas as coisas, e faz muito além do que podemos imaginar. Acredito o quanto esteja sendo difícil, e acho você muito corajosa em relatar tudo isso em tão pouco tempo, essa força vem de Deus!
    Enfim, vou continuar orando por você e crendo no seu milagre.
    Um beijão!!

Anterior
Próximo
Voltar para a home